"Meu tempo é tão precioso quanto o seu."

Silvia Henz, jornalista de Curitiba, atualmente trabalhando como editora do portal da Ana Maria Braga, também é idealizadora do conceito “Armário Cápsula” no Brasil: a liberdade de viver com um número limitado de roupas por estação.

Leia a seguir a nossa entrevista com a Silvia Henz.

 

EXAIXO: Olá Silvia, tudo bem? Você ficou conhecida por ser a idealizadora do conceito de Armário Cápsula no Brasil. Conte-nos um pouco mais sobre como isso aconteceu por favor!

Silvia: Eu acho que é porque comecei a falar disso muito cedo, antes da moda estourar. Eu faço armário-cápsula há 3 anos. Não tenho um blog, mas fui postando nas redes sociais e a tendência foi crescendo junto com a vontade das pessoas aprenderem a viver com menos. A entrevista sobre a mala leve na Ana Maria Braga (Mais Você) foi o antes-e-depois mesmo. Eu ouvi falar do conceito armário-cápsula quando a americana Caroline Rector começou a fazer lá fora. Meus amigos começaram a mandar o link do blog dela, das entrevistas, me marcaram no Facebook e começaram a dizer: “É sua cara Silvia!”

Sabiam que tinha saído de uma vida de muito exagero de consumo rumo a uma vida mais simples com menos coisas e mais vida. Foi quando pensei: por que não? Já tinha umas 60 peças de roupas e sapatos só na época, mas quis fechar um número por estação, primeiro pelo desafio, depois porque você vê como é mais fácil e se apaixona. Tenho um grupo no Facebook (Armário Cápsula) no qual trocamos experiências de cada cápsula.

 

EXAIXO: E qual seu método? Como qualquer pessoa pode criar seu próprio armário-cápsula em casa?

Silvia: Eu desenvolvi um método a partir de uma experiência pessoal:

  1. Separe as 10 peças de roupa que você mais usou nas duas últimas semanas. Não as que mais gosta, as que mais usou, significa que são aquelas peças que mais funcionam para o seu dia-a-dia e para o seu corpo atual.
  2. Veja quais cores não neutras mais se repetem. Essas serão as cores chave do seu armário. Um exemplo de cor não-neutra: rosa, vinho, verde claro, azul royal, amarelo, laranja, vermelho.
  1. Escolha partes de baixo e de cima para compor o seu dia-a-dia baseado nessas cores mesclando com cores neutras bem como bege, branco, cinza, preto e azul marinho. Esse trabalho exige muito senso crítico e autoconhecimento. Não há regras. Há mulheres que não precisam de um “pretinho básico”. Há quem precise de mais sapatos que calças. Eu encontrei meu número: são 33 peças incluindo bolsas e sapatos.

 

Armário-Cápsula Silvia HenzAs peças do armário do verão 2018 de Silvia. Foto: acervo pessoal.

 

EXAIXO: E como funciona na prática, uma vez definido o armário-cápsula ideal, ele fica permanente?

Silvia: É tudo uma questão de tentativa e erro. Se sentir que esqueceu peça de calor no inverno ou de frio no verão nada te impede de "corrigir" teu armário pegando uma roupa guardada.

Ah, uma coisa importante! O armário cápsula não é sobre comprar. É sobre reaproveitar ao máximo as peças que você tem e ama. Não se trata de jogar todas suas roupas fora e comprar tudo novo. Até porque a maioria das pessoas tem muito mais roupa que precisa. Aliás o restante das 33 peças fica guardado até a próxima estação onde "compro" do meu próprio armário. Se algo precisa ser substituído porque rasgou de tanto usar, por exemplo, entra um sai outro.

 

EXAIXO: Você adaptou um estilo de vida minimalista para outras áreas de sua vida também? 

Silvia: Sim, o menos é mais acaba tomando conta de várias áreas. Mas não me considero minimalista, estou muito longe disso. Eu busco uma vida com sentindo. Adoro moda, fui produtora, gosto de brincar com o visual, mas hoje tenho consciência do meu estilo, esse estilo pessoal que todo mundo tem, só basta descobrir. Quando você está conectado com quem você é, não compra mais coisas e depois se pergunta: "Por que eu comprei isso? No que eu estava pensando?". Então fiz uma grande evolução pessoal. Sai de 6 portas de armário para meia porta (risos).

 

EXAIXO: Qual é a sensação de viver com um armário-cápsula por um período maior?

Silvia: Quando você abre seu armário e vê ele semivazio, a sensação é muito boa. O excesso de opções estressa a gente, quando a gente começa a questionar "porque vou atravancar meu armário com casacos de inverno que podem ficar guardados no verão? ou "por que vou manter 30 blusas se só uso 12?" Com o tempo ficou natural de fazer essas questões.

 

EXAIXO: Como é o dia-a-dia na vida da Silvia Henz?

Silvia: Eu sou de Curitiba, moro e trabalho em São Paulo, mas viajo bastante por conta dos meus parentes, eventos, trabalho. Então meu armário sempre prevê um calorão do Rio de Janeiro no inverno e um possível frio com chuva de Curitiba no verão. Eu trabalho com a Ana Maria Braga há 4 anos, desde antes do armário-cápsula. Eu trabalho no site aqui em São Paulo e ela mora no Rio. Não nos vemos tanto. Quando tem um evento ou uma festinha com ela me permito emprestar roupa, alugo bolsa. Roupa "de festa", "de academia" e "de ficar em casa" não entra na contagem.

Em casa posso não usar roupas, não tenho "roupa para ficar em casa"! Ou uso um pijama lindo e confortável ou ainda roupa de ginástica, caso vá fazer limpeza ou algo assim.

 

Silvia Henz

Eu não tenho "roupa de ficar em casa". Foto: acervo pessoal.

 

EXAIXO: E quando falamos de acessórios e bijuteria: você usa? E qual a importância para você na hora de compor seus looks?

Silvia: Acessórios são marcas de estilo. Tenho bijuterias que cuido como joias. Eu gosto muito, tem as multipulseiras que são minha marca registrada, não importa se é na moda de usá-las ou não.

Lenços também fazem parte do meu estilo: uso como cinto, a bolsa ou como a tiara. Já um relógio no pescoço ou no punho mais que estilo passa uma mensagem: meu tempo é tão precioso quanto o seu.

 

Silvia Henz usando relógio EXAIXO New York Elegance

         O meu tempo é tão precioso quanto o seu. Foto: acervo pessoal.

 

EXAIXO: O que podemos esperar da Silvia Henz no futuro, vai ter mais algum conceito novo?

Silvia: Boa pergunta. Espero diminuir muito meu armário, mas teria que mudar algo na minha vida e na verdade estou bem feliz com ela. Mas para o futuro, em geral, estou acreditando muito na onda do usufruir sem possuir, por exemplo o Uber, Airbnb, share economy em geral, alugar coisas. Quem sabe um dia a gente vai ter oito trocas de roupa e alugar tudo o resto: roupa de trabalho, roupa de evento, roupa de passeio. Diria que não é algo muito fora da realidade. Já existe, mas ainda é muito nichado em peças de grife. No dia que for economicamente interessante, talvez possamos ver mais uma tendência de comportamento despontar.

 

EXAIXO: Muito obrigado pela entrevista Silvia.

Silvia: Muito obrigada por dar voz ao Armário Cápsula! Um beijo a todos os leitores.

 

25/Janeiro/2018 por Foursixty Developer

Deixe um comentário

Notar por favor: comentários precisam ser aprovados antes de ser publicados. Obrigado!